Clínica Higashi

Londrina | PR : 43 3323-8744
Rio de Janeiro | RJ : 21 3439-8999

Notícias

25/11/2016 Neurofeedback no Tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)
O TDAH é um dos distúrbios neurológicos mais prevalentes na infância e adolescência. Treinar o cérebro com neurofeedback ajuda a resolver a raiz do problema sem medicamentos, o que é crucial para  saúde do paciente.

Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é definido por um conjunto de sintomas que podem incluir desatenção, hiperatividade e impulsividade. Pacientes com TDAH têm diferenças cerebrais específicas nas áreas cerebrais que tratam de controlar os impulsos e focar a atenção.


Comparação entre cérebro normal e cérebro de quem tem TDAH:


Neurofeedback 3.jpg


Quando em atividade através de um estímulo cognitivo o cérebro normal mostra atividade intensa nas áreas emocionais e na área pré-frontal, no cérebro do TDAH estas mesmas áreas tem menor atividade ou quase não há atividade. Isto ocorre devido a diminuição de dois neurotransmissores importantes: dopamina e noradrenalina.


O TDAH é um dos distúrbios neurológicos mais prevalentes na infância e adolescência. Os sintomas primários são desatenção, impulsividade e hiperatividade. Os meninos são freqüentemente mais afetados que as meninas. TDAH é uma desordem neurobiológica que persiste na idade adulta em 30-65% dos casos.


Ao contrário do que muitos pensam o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) não é um problema psicológico, mas neurológico. Pessoas com TDAH podem exibir uma variedade de sintomas, podem parecer estar distraídos, impulsivos e desatentos. No entanto, muitas vezes, esses distúrbios são tratados com medicação quando o treinamento com neurofeedback poderia ser uma alternativa complementar. Os medicamentos não ensinam uma pessoa a lidar com o problema a longo prazo, e podem ter efeitos colaterais, tais como:


Perda de apetite

Dificuldades do sono

Potenciais riscos cardíacos

Mudanças de personalidade


Além disso, as crianças com Transtorno de déficit atenção (TDA) mais significativo ou TDAH, podem desenvolver uma tolerância aos medicamentos ao longo do tempo, resultando em doses aumentadas, medicamentos adicionais e potencialmente mais efeitos colaterais.


Estudos têm demonstrado ao contrário da medicação, a terapia com neurofeedback controla endogenamente (de dentro para fora) o cérebro, resultando em melhora significativa nos sintoma de TDAH / TDA. Com neurofeedback, as pessoas aprendem a fazer melhorias a longo prazo, ter auto-controle e atenção, porque seu cérebro aprende o mecanismo da atenção.


O tratamento com Neurofeedback é uma forma de biofeedback sobre a atividade cerebral por meio de EEG (eletro encefalograma) gravado que é então recebido no cérebro. Este feedback torna possível determinar e assim controlar a atividade cerebral no paciente. Treinamento do cérebro pode compensar as dificuldades na ativação com vários sintomas de TDAH melhorado através de uma melhor auto-regulação.


Paciente em treinamento com neurofeedback:


Neurofeedback 2.jpg



Treinar o cérebro com neurofeedback ajuda a resolver a raiz do problema sem medicamentos, o que é crucial para  saúde do paciente.


Em uma pessoa com TDA, as áreas do cérebro que controlam a atenção e o foco podem ter atividade elétrica muito lenta, o que também pode levar a sentir-se deprimido, preocupado e desmotivado. Inconscientemente, as pessoas com TDAH aumentam os movimentos do corpo para estimular e "acordar" seus cérebros.


Portanto, os estimulantes são prescritos para aumentar a atividade cerebral sem aumentar o movimento do corpo. O problema com esta estratégia é que as pessoas com TDAH podem já estar experimentando muita atividade rápida em algumas regiões do cérebro, o que pode levar a outros problemas agindo de forma agressiva, impulsiva ou sentindo ansioso. 


O cérebro de uma pessoa com TDAH pode correr tão rápido que é quase impossível para eles ficar quieto ou ouvir. Na verdade, há uma justificativas para as pessoas com TDAH serem tidas como mais inteligentes, é que elas entendem conceitos rapidamente. Seu rápido ritmo mental pode levá-los a avançar antes de todas as instruções são dadas, fazendo com que faltem detalhes cruciais.


O vídeo abaixo mostra o treinamento com neurofeedback no TDAH:




A terapia com Neurofeedback permite que os pacientes trabalhem diretamente no problema treinando o cérebro para se tornar mais calmo, mais focado e menos impulsivo. Ao reduzir os padrões de cérebro demasiado rápido e demasiado lento que ocorrem no cérebro de alguém com TDA ou TDAH, a neurofeedback ajuda a pessoa aprender a assumir o seu auto- controle.


No treinamento do neurofeedback mais de 85% dos clientes com TDA ou TDAH aprendem a aumentar o foco, reduzir a impulsividade e gerenciar seu comportamento quando treinam com neurofeedback em uma base consistente.


Em novembro de 2012, a Academia Americana de Pediatria aprovou biofeedback e neurofeedback como um nível 1 ou "melhor apoio" de opção de tratamento para crianças que sofrem de TDAH. Assim, para os pais que procuram um tratamento eficaz, não medicamentoso de TDAH, neurofeedback é um tipo de terapia que vale ser considerada.

 

Para maiores informações sobre neurofeedback no transtorno de hiperatividade e déficit de atenção entre em contato nos telefones (21) 3439-8999 ou (21) 98208-4972, Rio de Janeiro.



Newsletter
Cadastrar