Postado em 8/1/2014, por Dra. Andrea Nunes
NEUROMODULAÇÃO CEREBRAL COM ESTIMULAÇÃO MAGNÉTICA TRANSCRANIANA
Curso Online de Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana no Tratamento Neuropsiquiátrico

É no tratamento do cérebro que a medicina na última década mais avançou, entre estes avanços podemos citar a neuromodulação cerebral. Neuromodulação Cerebral consiste no uso da tecnologia eletro-magnética para tratamento cerebral. Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMTr) é uma técnica médica não invasiva que se utiliza de um aparelho que gera um campo magnético que tem capacidade de estimular áreas específicas do cortex cerebral.

O Curso é ministrado por Dr. Rafael Higashi é médico neurologista com residência médica em neurologia no Instituto de Neurologia Deolindo Couto da UFRJ, mestre em medicina na área de neurologia pela Universidade Federal Fluminense, membro titular da Academia Brasileira de Neurologia, especialização no departamento da dor pela New York University Medical Center em Nova York, EUA. Fundador da primeira Clínica de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva do Rio de Janeiro. Atualmente diretor médico da Clínica Higashi Rio de Janeiro.

Rafael Higashi_Neuroestimulação Cerebral_TEASER.mp4 from Medportal Cursos Online Medicina on Vimeo.

Acesse o Med Portal para ter acesso ao curso de Neuromodulação Cerebral

 

 
 
Postado em 1/12/2013, por Andrea Nunes Higashi
Nutrologia, Ortomolecular e Medicina Antienvelhecimento
Seis perguntas que todos querem saber sobre antienvelhecimento.

1-Quais as novidades em tratamentos estéticos relacionados a gordura localizada, celulite, estrias e flacidez? R: Para gordura localizada a ultima novidade é uma substancia chamada de lipossomas de girassol que uma substancia que causa lipólise (quebra de gordura) que pode ser injetada no local de tratamento, e o ultrassom cavitacional um aparelho que também faz lipolise pela ondas ultrassonicas porem de uma forma mais profunda do quando comparado com as atuais, já para o tratamento da celulite e flacidez temos a radiofreqüência tripolar (accent,hertix,e outros) que aquece os tecidos de forma mais profunda em altíssimas temperaturas aumentando a produção de colágeno. Para estrias a carboxiterapia aquecida é um ótimo tratamento que consiste na injeção de gás carbônico medicinal no local das estrias, alem de fatores de crescimento e laser que podem ser aplicados no local também.

2-Muito se fala em emagrecimento e perda de peso. Qual a dica para emagrecer de maneira saudável e eficaz? R: Para emagrecer de forma eficaz e saudável primeiro precisamos combater as causas do aumento de peso ou que dificultam o emagrecimento, o balanço hormonal é muito importante, porque existem hormônios que ajudam a engordar( que precisam ser diminuídos), e hormônios que ajudam a emagrecer ( que muitas vezes estão deficientes ou insuficientes), a flora intestinal (bactérias intestinais) precisa estar saudável porque é um dos motivos de aumento de peso ,ou seja, uma flora intestinal alterada ocorre maior extração de calorias dos alimentos e também ativam os genes da obesidade, regular o centro do apetite e da saciedade e aumentar o gasto energético que podem ser usados desde nutrientes e ate medicamentos, aliado sempre com a atividade física voltada para o emagrecimento ou seja na freqüência cardíaca alvo para gasto energético, e uma dieta equilibrada principalmente com alimentos com baixo índice glicêmico (alimentos que não elevam tão rápido a glicose sanguínea) evitando o pico de insulina que um hormônio extremamente anabólico(faz ganhar peso), ter uma boa qualidade do sono é muito importante para a liberação hormonal do gh (hormônio que ajuda queimar gordura), e controle do stress evitando assim a secreção de hormônios que ajudam a engordar como o cortisol.

3-Rugas e sinais de expressão também preocupam muito nesta época do ano. Como a medicina pode ajudar neste sentido? R: Existem desde tratamentos modernos para tratamento de rugas e sinais de expressão com aplicação de celulas-tronco, plasma rico em plaquetas, radifrequencia, laser, fatores de crescimento facial, peelings, até tratamentos para evitar ou retardar o processo de envelhecimento que é o tratamento anti-aging, através da suplementação nutricional correta, modulação hormonal, aliada a um plano alimentar do tipo mediterranea e exercícios físicos da forma correta.

4- O que é a medicina anti-aging e como funciona o tratamento?R: Anti-aging é uma nova área da medicina ao qual estuda as causas do envelhecimento com o objetivo de retardar o nosso relógio biológico, isto não quer dizer que a pessoa não vai envelhecer, mas sim envelhecer com mais qualidade de vida. Entre as causas de envelhecimento podemos citar o stress oxidativo ( aumento dos radicais livres), glicação , inflamação, queda hormônal, e tambémo encurtamento do telomero( ponta do cromossomo). A medicina anti-aging objetiva modificar os fatores de envelhecimento através da reposição hormonal com meios mais fisiológicos e naturais, principalmente com o uso de hormônios bioidenticos, sempre aliado a uma alimentação correta, exercício físico equilíbrado, visando uma melhor qualidade de vida para um envelhecimento digno.

5- O programa de rejuvenescimento facial faz parte da medicina anti-envelhecimento ou trata-se de tratamentos distintos? R: Existem 2 tipos de anti-aging : uma trata somente a parte estética com procedimentos específicos para isto e a outra busca o equilibrio de seu organismo para um melhor funcionamento global do seu organismo, ou seja, de dentro para fora, o ideal para quem quer ter um resultado mais eficaz e duradouro é fazer os 2 em conjunto.

6- Como funciona o programa e quais as técnicas mais usadas no tratamento para amenizar as consequencias do envelhecimento? R: O tratamento sempre começa com uma consulta detalhada, um bom exame físico, exames funcionais para saber como esta o funcionamento do organismo, um check up hormonal e inflamatório completo. Após a consulta, exame físico e exames laboratoriais será indicado um plano completo desde a parte alimentar, exercício físico, suplementos nutricionais e reposição hormonal (quando necessário).

Autor : Dr Leonardo Higashi - nutrólogo, endocrinologista e ortomolecular da Clínica Higashi

 
 
Postado em 29/6/2013, por Dra Andrea Higashi
Homenagem a Jean-Martin Charcot fundador da neuropsiquiatria moderna
Nossa homenagem a Jean-Martin Charcot (1825 - 1893) o médico dos grandes médicos.

 

“Sintomas são na realidade, nada mais do que o choro dos órgãos sofredores” . Jean-Martin Charcot

 

 

 

Jean-Martin Charcot, médico, nascido na França, no ano de 1825 e falecido no ano de 1983. Foi importante professor na Universidade de Paris por trinta e três anos em neurologia, dessa forma, pela suas grandes descobertas na área da neuropsiquiatria ele foi considerado um dos importantes fundadores dessa ciência, foi mundialmente famoso, era médico requisitado pelos principais chefes de estado de sua época. É considerado a grande fonte de espiração e  maior fonte inspiração de Sigmund Freud.

 

Charcot através de suas obras atraiu discípulos que posteriormente se tornaram famosos e grandes ciêntistas como Sigmund Freud Bouchard, Joffroy, Debove, Raymond, Brissaud, Pierre Marie, Pitrè, Bourneville, Gilles de la Tourette, Babinski, Guinon,Souques e Meige.

 

Seus estudos concernentes mostraram a veracidade dos fenômenos histéricos, dantes vistos pela sociedade como simulações. Abandonou sua posição na Cátedra em meados da fundação da primeira clinica européia de neurologia, criada por ele, na Salpêtrière.

 

Em sua clinica, com o auxilio dos casos neurológicos que os pacientes apresentavam, levantava dados para utilização nas suas leçons du mardi, as quais eram direcionadas para estudantes da Salpêtrière, através das quais ele passava a diante seus conhecimentos e idéias que tinha sobre as causas destes casos e as possíveis formas de tratamento. Em suas explanações podia-se perceber que o método utilizado por Charcot, no qual analisava diversas vezes a mesma anomalia, para então diagnostica-la e enxergar em que pontos vai além da literatura, era eficiente e diferenciado.

 

Através deste trabalho, no hospital Salpêtrère, que Charcot demonstrou a eficiência da sua técnica. Ao observar sempre, repetidamente, as coisas que não compreendia nos distúrbios neurológicos, e aprofundou sua impressão delas dia-a-dia e acabava com o passar do tempo alcançando uma compreensão.

 

Freud “bebeu” da fonte de conhecimentos de Charcot por ser seu aluno deste em Salpêtrière, e um dos fatores que influenciaram as opiniões de Freud, no que se refere aos conhecimentos que ele teve acesso nas leçons du mardi, foi a hipnose. Esta usada como forma de diagnosticar e tratar a histeria, que ele acreditava ser uma resultante doença resultante da conjunção de um sistema neurológico frágil e hereditário, de cunho da mente e da inteligência A partir de 1860 ministra, na Universidade de Paris, a disciplina Anatomia Patológica.

 

 

Ele descobriu numerosas enfermidades e síndromes neurológicas como a esclerose lateral amiotrófica, a neuropatia de Charcot-Marie-Tooth, a esclerose múltipla (EM). No seu estudo de atrofia muscular, Charcot descreveu os sintomas da ataxia locomotora, uma degeneração da medula espinhal e dos feixes nervosos dos sentidos. Foi dele também a primeira descrição da desintegração dos ligamentos e das superfícies das juntas chamada de Síndrome de Charcot ou "junta de Charcot"; artropatías dos joelhos, pélvis e outras articulações, causado por ataxia locomotora dentre outras doenças e ferimentos relacionados. Acerca das ataxias, foi dado ressalte às locomotoras, em especial a Ataxia de Friedreich.

 

Ele foi o pioneiro na condução da pesquisa sobre os centros cerebrais e doenças nervosas. Foi o primeiro a explicar a histeria juntamente com o especial tratamento dado a ela, e o novo enfoque que teve esta doença, no que diz respeito a uma outra visão, mostrada por ele, dela na sociedade. Tratando-a como parte da neuropatologia ele forneceu uma descrição completa sobre a histeria.

 

Em um determinado ponto de sua carreira, ele acreditou ter descoberto uma nova doença, que ele chamou de "histero-epilepsia". Os sintomas incluíam convulsões, contorções, desmaios e falha transitória da consciência. Ele, então, apresentou a seus alunos vários exemplos da nova doença durante suas passagens. Entretanto, Babinski convenceu Charcot de que a histero-epilepsia não era um distúrbio, e sim, que os médicos podiam induzir os sintomas em seus pacientes, logo influenciando na manifestação da doença. Os histero-epilépticos foram separados uns dos outros do hospital e dos membros da equipe que os tinham tratado anteriormente foram movidos para a ala geral, dali em diante os médicos trataram os pacientes ignorando o comportamento histérico e os encorajando a esforçar-se por sua recuperação.

 

A partir deste trabalho pode-se afirmar que Charcot, graças também à sua impecável formação em medicina, teve primordial importância para a história da histeria, da psicanálise e, principalmente, para patologias neurológicas. É também válido dizer que graças ao seu modo de diagnosticar as doenças mentais, deu grandes contribuições tanto à psiquiatria quanto à psicologia, quando esta estava ainda em formação, contribuiu para esta ciência evoluir, ao influenciar expoentes, e mostrar a importância do estudo de determinadas patologias para que se possa desconstruir teorias antigas ou ir além delas.

 

É ainda possível mostrar o quão inovador Charcot foi para o seu tempo, mostrando a possibilidade do tratamento de doenças psíquicas com métodos, inovadores à época, como a hipnose. Por fim gostaria de ressaltar a nossa despretensão em pensar que esta personalidade, é Jean-Martin Charcot, está aqui profundamente estudado, ao contrario, e ainda sua vida e contribuições estão longe de serem esgotadas.

 

 

Autora: Andrea Nunes Higashi - Coordenadora de Educação e Pesquisa da Clínica Higashi no Rio de Janeiro e Londrina.

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
Postado em 3/4/2013, por Dr. Leonardo Higashi
Ortomolecular - Emagrecimento - Hormônios Bioidênticos
Emagrecimento saudável, é possível?

Emagrecimento saudável, é possível?

Existem vários fatores que levam uma pessoa a engordar: alterações genéticas complexas,  falta de exercício, alimentação inadequada, alterações hormonais e intestinais, stress e medicamentos, entre outros fatores. Ou seja, a obesidade é uma doença que,  na grande maioria dos casos, não tem uma causa só, mas vários fatores que em conjunto levam ao ganho de peso.

Mas por que estas alterações genéticas levam ao ganho de peso? Porque o cérebro possui um centro que controla o apetite e a saciedade, o qual também é responsável pelo gasto energético. Porém,  várias alterações genéticas combinadas levam ao desequilíbrio deste centro. Com isso, a pessoa passa a ter mais fome gastando menos energia.

Então, quer dizer que estas pessoas com esses sintomas serão sempre gordas? A resposta é não, pois existem medicamentos, nutrientes e hormônios que ajudam a regular este centro do apetite, aumentando o gasto de energia.

Mas qual a real importância dos hormônios para o emagrecimento? São de grande importância. Infelizmente, por desinformação,  muitas mulheres têm medo dos hormônios, achando que eles engordam. Na verdade, existem vários tipos de hormônios com funções diferentes. Existem hormônios que ajudam a engordar e outros que ajudam a emagrecer, por isso, o balanço hormonal é muito importante para o equilíbrio do organismo. Se necessário, mediante orientação médica, use hormônios.

Alteração intestinal engorda?  Sim, conforme as últimas pesquisas, a pessoa gorda tem a flora intestinal alterada, o que provoca maior extração de calorias dos alimentos. Na prática, ela come a mesma quantidade, porém, absorve um número maior de calorias.Mas por que algumas pessoas fazem exercício, se alimentam pouco e mesmo assim não emagrecem? Um dos motivos, é a falta de orientação, tanto na prática dos exercícios como também devido a combinação errada dos alimentos. Sabia que existe uma coisa chamada freqüência cardíaca alvo do exercício, que é o mínimo que o coração deve bater na hora da atividade física, para começar a gastar calorias. Não adianta fazer 2 horas de caminhada diárias se você não atingir esta freqüência mínima, melhor você fazer 3 vezes na semana,  de 40 a 60 minutos, atingindo esta freqüência alvo, com certeza, o resultado será muito melhor.

E as dietas milagrosas da sopa, da lua, do atum, de 800 kcal? Não faça isso, melhor você medir seu metabolismo (calorimetria indireta) para seguir um plano alimentar de acordo com as necessidades, sabendo combinar os alimentos, para ter uma dieta com baixo índice glicêmico, evitando picos de insulina que é um hormônio extremamente anabólico que leva a pessoa a ganhar peso. A combinação perfeita para isso é você comer em todas as refeições com a proporção de 40 % de carboidratos, 30 % de proteínas e 30 % de gorduras. Mas gorduras? Sim, as  gorduras evitam o pico de insulina, porém, deve-se ingerir gorduras boas, como as do peixe, azeite de oliva, castanhas e nozes. Mas como vou calcular 40 % disso, 30 % daquilo, não se desespere existe maneiras simples e práticas de fazer isto.

 Então qual o segredo de um emagrecimento saudável? A dica é o controle do stress, pois ele aumenta um hormônio chamado cortisol que em níveis altos engordam; durma bem; pratique exercícios, porém, faça uma avaliação para calcular a freqüência alvo para não fazer em vão; meça o seu metabolismo (calorimetria indireta) e combine os alimentos corretamente e de preferência  alimento com baixo índice glicêmico; faça uma boa avaliação hormonal e reponha hormônios se for necessário, pois tanto o excesso como a falta de hormônios engordam; equilibre a sua flora intestinal, pois o intestino saudável é igual a saúde; suplemente a parte nutricional evitando a fadiga, queda de cabelos, unhas fracas, e desanimo; acompanhe sua perda de peso com porcentual de gordura, pois emagrecer perdendo músculo é um emagrecimento irreal, não tenha medo de nutrientes e medicamentos pois, se usados com acompanhamento médico, da maneira correta, na dose certa, pode ajudar no equilíbrio do centro da saciedade, aumentando o gasto energético, porem, nunca como único tratamento; aumente sua auto estima, anime-se pois você pode conseguir resultados maravilhosos com apenas alguns meses de tratamento.

Dr. Leonardo Higashi - médico da equipe de medicina ortomolecular e nutrologia da Clínica Higashi e Coordenador do programa de emagrecimento saudável da Clínica Higashi / Centro Médico Athenas em Londrina.

clique aqui o conheça o Spa athenas

 

 

 

 
 
Postado em 11/12/2012, por Francini Monte Raso Andrade Vilela
Relato de caso de contaminação com alumínio e bactéria hospitalar
A importância de diagnosticar intoxicação por metais pesados e infecção subclínica

Meu filho nasceu normal fisicamente e mentalmente. Em 2006 meu filhinho já com 2 anos, começou  apresentar alguns sintomas como prisão de ventre, irritabilidade, falta de apetite. Como mãe, notei os sintomas e passei a levá-lo em diversos pediatras da região do Sul de Minas Gerais e do Estado de São Paulo.

Os médicos pediram diversos exames que, foram feitos sem uma solução ou diagnóstico correto e preciso.

O estado de saúde da criança só se agravava a cada dia, procurei especialistas diversos como otorrinos, neuropediatras, no total de 36 médicos ao longo de 2 anos de muita luta e sofrimento.

Meu filho foi internado em hospitais da região do sul de Minas Gerais por 5 vezes tomou tanto antibiótico que seu sistema imunológico foi prejudicado.

No final de 2008, conheci o trabalho do Centro Médico Athenas pela internet e conversei pela rede com uma gerontóloga que na verdade foi um anjo enviada por Deus na vida do meu filho e da minha família.

A Drª. Andrea Nunes, tomando conhecimento da situação desesperadora em que se encontrava meu filho de 4 anos, indicou-me o Centro Médico Athenas de Londrina (Clínica Higashi) para tratar o meu filho, devido a pouca idade e gravidade do seu caso. Nesta época meu filho já não conseguia mais andar bem , já não comia e já havia perdido muito da atividade cognitiva. Muitos especialistas o classificaram como Autista.

Em 2008, um neurologista e ortomolecular da minha cidade através do mineralograma do cabelo, conseguiu descobrir que a criança havia se contaminado com alumínio porém o tratamento para descontaminação estava lento e o estado da criança já muito debilitado.

No mês de dezembro de 2008, por indicação da Dra. Andrea Nunes, eu trouxe meu filho para o Centro Médico Athenas em Londrina.Dr. Higashi o atendeu prontamente e descobriu que além da contaminação de alumínio, a criança havia se contaminado com uma bactéria  hospitalar que já havia atacado vários órgões, inclusive o cérebro.

Dr. Higashi e sua equipe, com muita competência e amor a profissão, trataram meu filho  para combater a bactéria, pois esta já estava resistênte a diversos antibióticos. Foi realizada a descontaminação do alumínio e a suplementação nutricional.

Meu filho hoje está com 7 anos, perfeitamente bem fisicamente e mentalmente.

Hoje ele é uma criança feliz, normal e saudável, graças a Deus e ao Dr. Higashi e sua equipe e principalmente graças ao nosso anjo da guarda Dra. Andrea Nunes.

Obrigada! A Clínica Higashi e toda sua equipe!

Francini Monte Raso Andrade Vilela (mãe)
Lucas Monte Raso Andrade Vilela Rodrigues (paciente)
Cidade de Boa Esperança - MG

 
 
Postado em 25/10/2012, por Dr. Rafael Higashi
Como a Anvisa vê o uso off label de medicamentos

O uso off label é, por definição, não autorizado por uma agência reguladora, mas isso não implica que seja incorreto.

Como a Anvisa vê o uso off label de medicamentos


Publicado pela Gerência de Medicamentos Novos, Pesquisa e Ensaios Clínicos da ANVISA em Brasília dia 23 de maio de 2005 .

Cada medicamento registrado no Brasil recebe aprovação da Anvisa para uma ou mais indicações, as quais passam a constar na sua bula, e que são as respaldadas pela Agência. O registro de medicamentos novos é concedido desde que sejam comprovadas a qualidade, a eficácia e a segurança do medicamento, sendo as duas últimas baseadas na avaliação de estudos clínicos realizados para testá-lo para essas indicações. 



Quando um medicamento é aprovado para uma determinada indicação isso não implica que esta seja a única possível, e que o medicamento só possa ser usado para ela. Outras indicações podem estar sendo, ou vir a ser estudadas, as quais, submetidas à Anvisa quando terminados os estudos, poderão vir ser aprovadas e passar a constar da bula.

Estudos concluídos ou realizados após a aprovação inicial podem, por exemplo, ampliar o uso do medicamento para outra faixa etária, para uma fase diferente da mesma doença para a qual a indicação foi aprovada, ou para uma outra doença, assim como o uso pode se tornar mais restrito do que inicialmente se aprovou. 



Uma vez comercializado o medicamento, enquanto as novas indicações não são aprovadas, seja porque as evidências para tal ainda não estão completas, ou porque a agência reguladora ainda as está avaliando, é possível que um médico já queira prescrever o medicamento para um seu paciente que tenha uma delas.

Podem também ocorrer situações de um médico querer tratar pacientes que tenham uma certa condição que, por analogia com outra semelhante, ou por base fisiopatológica, ele acredite possam vir a se beneficiar de um determinado medicamento não aprovado para ela. 

Quando o medicamento é empregado nas situações descritas acima está caracterizado o uso off label do medicamento, ou seja, o uso não aprovado, que não consta da bula.

O uso off label de um medicamento é feito por conta e risco do médico que o prescreve, e pode eventualmente vir a caracterizar um erro médico, mas em grande parte das vezes trata-se de uso essencialmente correto, apenas ainda não aprovado. Há casos mesmo em que esta indicação nunca será aprovada por uma agência reguladora, como em doenças raras cujo tratamento medicamentoso só é respaldado por séries de casos. Tais indicações possivelmente nunca constarão da bula do medicamento porque jamais serão estudadas por ensaios clínicos.



O que é uso off label hoje pode vir a ser uso aprovado amanhã, mas nem sempre isso ocorrerá. O que é off label hoje, no Brasil, pode já ser uso aprovado em outro país. Não necessariamente o medicamento virá a ser aprovado aqui, embora freqüentemente isso vá ocorrer, já que os critérios de aprovação estão cada vez mais harmonizados internacionalmente. 

A aprovação no Brasil, porém, pode demorar, por vários motivos, entre os quais o de que o pedido de registro pode ser feito muito mais tarde aqui do que em outros países.

Também pode ocorrer que o medicamento receba aprovação acelerada em outro país, baseada na apresentação de estudos preliminares ou incompletos, o que, via de regra, não é aceito pela Anvisa.

Por fim, um uso autorizado no Brasil pode ser uso off label em outros países. 

A classificação de uma indicação como off label pode, pois, variar temporalmente e de lugar para lugar. O uso off label é, por definição, não autorizado por uma agência reguladora, mas isso não implica que seja incorreto.

 

Gerência de Medicamentos Novos, Pesquisa e Ensaios Clínicos

retirado do site do Ministério da Saúde : www.anvisa.gov.br/medicamentos/registro/registro_offlabel.htm#

 
 
Postado em 30/12/2011, por Dr. Tsutomu Higashi
Aplicabilidade das Células-Tronco
Células-Tronco:Realidade ou futuro?

CÉLULAS-TRONCO, UMA LUZ NO FIM DO TÚNEL

Em português, dizemos células-tronco. Em espanhol, são chamadas de células-madre e, em inglês, ficaram conhecidas como stem-cells. O conceito, no entanto, é um só e foi descrito pela primeira vez por um cientista médico, Alexander Maximov, que anunciou sua descoberta em 1909, num congresso de Hematologia, realizado em Berlim.

Hoje, passados 103 anos, muitos cientistas revolucionários continuam a busca para encontrar meios de utilizar essas células, que têm o poder de gerar novas células no organismo. Procuram dar início a um novo ramo da medicina, chamada regenerativa.

Contudo, como se trata de uma ciência biológica que oferece poucas possibilidades de gerar patente para a indústria farmacêutica, a pesquisa caminha à velocidade de tartaruga. Se a indústria vislumbrasse a chance de transformar células-tronco em produto industrial, sem sombra de dúvida essa nova modalidade de medicina já seria uma realidade. Mais uma vez, porém, a ciência tem à frente inúmeras alternativas terapêuticas para centenas de enfermidades que afligem a humanidade e, mesmo assim, enfrenta imensa dificuldade em transformá-las em ciência médica aplicada.

UM BANCO E MUITAS DISCUSSÕES

Em 1988, a médica Elaine Glukman utilizou células-tronco de cordão umbilical para tratamento de doenças hematológicas. Até então, somente eram consideradas aproveitáveis aquelas retiradas da medula óssea. A partir daí, desenvolveu-se a ideia de um “banco” de cordão umbilical, que armazena crioproteção para futuras necessidades do bebê. Ninguém poderá garantir, no entanto, que essas células de cordão umbilical guardadas no “banco”, originalmente multipotentes e pluripotentes, sejam de fato úteis no futuro, em função dos procedimentos nem sempre adequados utilizados quando de sua coleta no momento do nascimento.

Já em relação a células-tronco originárias de embrião e fetos, a humanidade enfrenta intermináveis debates éticos e religiosos, que impedem o progresso da pesquisa. O médico James Thomson, da Universidade de Wisconsin, isolou em 2009 células-tronco de blastocistos de 5 dias de fecundação in vitro.  A mídia entendeu que, para realizar o procedimento, era necessário destruir um embrião humano. Esse episódio foi um lamentável equívoco, complicando ainda mais o avanço da pesquisa de células-tronco.

A obtenção de blastocistos humano acontece diariamente no mundo, em todos os centro de reprodução assistida. Quem trabalha com reprodução humana, normalmente conta com vários óvulos fecundados. Somente um ovo é implantado no útero. Os demais são crioprotegidos ou  descartados. O erro de interpretação, na  realidade, é que não há necessidade de eliminar um embrião ou feto para continuar a pesquisa de célula tronco.

Quando se trata o assunto sob esse ângulo, todavia, impõe-se a pergunta: mas quando a vida se inicia? Na hora de fecundação ou quando surge o primeiro sopro, ao nascer. Ninguém sabe, com certeza. Temos, portanto, de respeitar a orientação dos teólogos, uma vez que vivemos em sociedade com multiplicidade de ideias. Dessa forma, todos têm uma parcela de verdade ou todos estão equivocados. O ideal, para o pleno desenvolvimento de uma civilização, seria a unificação da ciência com a religião.

PRÁTICO, RÁPIDO E JÁ COM RESULTADOS

Atualmente, para implante de células-tronco em adultos, utiliza-se a punção em medula óssea. Essa prática foi amplamente apoiada pelo cientistas teólogos do Vaticano e, conhecida como implante autólogo, conquistou inúmeros adeptos entre os cientistas, já sendo usada de forma ampla e rotineira no tratamento de câncer de linhagem hematopoética.

Em recente congresso médico, realizado em São Paulo e organizado pela A4M  BRASIL, entidade cientifica que agrega médicos pesquisadores de técnicas antienvelhecimento e de medicina regenerativa, foi abordado e exaustivamente debatido o implante de células-tronco.

O consenso é de que, hoje, o implante autólogo de células-tronco, isto é, de si para si,  não é mais considerado um procedimento difícil ou distante dos consultórios. Pode ser executado por meio de punção simples no osso esterno ou quadril, com prévia anestesia local. Posteriormente, as células-tronco são concentradas em laboratório e devolvidas ao paciente por via endovenosa.

As indicações de tratamento relacionam-se a diversas patologias denenerativas, tais como doença de Parkinson, doenças neurólogicas e autoimune, diabetes I e II, esclerodermia, doenças degenerativas pulmonares, lupus eritematoso, miastenia grave, esclerose múltipla, artrose, entre outras, com a obtenção de resultados promissores na maioria das  enfermidades estudadas.

Assim caminha a ciência. Talvez poucos  acreditem nas dificuldades dos cientistas verdadeiros, que, ao buscar aliviar a dor humana, têm necessidade de romper as barreiras impostas pelo “canetaço” dos burocratas.

TERAPIA CELULAR, MEDICINA DO PRESENTE: AVANÇOS NA AMERICA LATINA:

Quando se fala em doença, pensa-se logo em remédios, mas existem alternativas avançadas para cuidar da saúde, mesmo em casos graves. Este ano, tive a oportunidade de conhecer e acompanhar o médico venezuelano Carlos Cecílio Blatt, 70 anos. Ele está popularizando a terapia celular autóloga, uma prática médica avançadíssima. Para minha felicidade, participei ativamente de duas jornadas médicas, ao lado dele.

Levei comigo meus filhos Leonardo (endocrinologista) e Rafael (neurologista). Sem a ajuda da ciência, não se avança. Dr. Carlos é reconhecido por já ter realizado milhares de implantes com célula tronco em pacientes que sofrem de doenças degenerativas como lúpus, artrite reumatoide, mal de Parkinson, doenças neurológicas e  sequelas de  traumatismos. A técnica é indicada também para retinopatia, uma complicação de diabetes que causa a perda da visão, e doenças autoimunes em geral. Um avanço inegável da medicina.

Enquanto no Brasil a utilização de células-tronco ainda é encarada como medicina do futuro, na Venezuela, Dr. Carlos tornou-a uma prática comum e tem salvado muitas vidas. Dr. Carlos utiliza uma técnica simples e muito segura feita em adultos, que consiste na retirada e implante de células-tronco no mesmo paciente. Ele possui uma equipe e atende todos os pacientes em um laboratório ambulante.

Foto Dr. Carlos Cecílio Bratt retirando material da medula óssea para implante de células-tronco.

Como já dissemos anteriormente, o corpo é uma máquina perfeita. As células-tronco podem ser comparadas ao estepe de um carro. Não tem lógica rodar com um pneu furado se há outro de reserva que pode substituí-lo. Isso se aplica também ao corpo. Por que não utilizar as células de reserva em caso de emergência?

Faz-se necessário esclarecer que as células-tronco utilizada por dr. Carlos Cecílio nada tem a ver com aquelas obtidas a partir de embriões e que gerou e ainda gera polêmica e problemas de caráter ético-religioso. Ou ainda células-tronco heterólogas (retiradas de um adulto que não seja o receptor). Ambos os casos exigem laboratório sofisticado entre outros recursos.

Pela simplicidade, a terapia celular aplicada pelo dr, Carlos Cecílio não requer laboratório de biossegurança. Porém, as leis brasileiras que discorrem sobre o tema parecem elaboradas não para permitir a realização da técnica, mas para inviabilizá-la. No Brasil, esse procedimento ainda está em fase de pesquisas por meio da Rede Nacional de Terapia Celular, coordenada por profissionais ligados a politicagem da saúde e da medicina.

Dr. Tsutomu Higashi - médico diretor da Clínica Higashi e Centro Médico Athenas referência em ortomolecular e anti-aging.

Foto do Congresso Brasileiro de Celulas- tronco e Terapia Celular 2011: Dr:  Richard K. Burt (Northwestern University, Chicago, USA) e Dr. Tsutomu Higashi (Diretor Médico da Clínica Higashi e Centro Médico Athenas).

Mais informações sobre o estudo das células-tronco acesse o site:

http://www.celulastroncobrasil.com.br/

 
 
Postado em 18/11/2011, por Dra. Andrea Nunes Higashi
Clínica de Dor: Terapia com ozônio
Terapia com ozônio no tratamento da dor

O Ozônio é um gás natural presente na atmosfera terrestre (estratosfera) que contém 90% de todo ozônio, há 22 Km acima do nível do mar. Ele é composto por três atómos de oxigênio. A formação com o terceiro atómo é decorrente de uma reação endotérmica.

O Ozônio foi descoberto em 1839, na Universidade de Basiléia (Suiça) por Chistian Friedrich Schönbein. Em 1856, o ozônio foi usado pela primeira vez em um curso de cuidados de saúde para desinfectar salas de operação e esterilizar instrumentos cirúrgicos.

Na Terapia com Ozônio podem ser tratadas patologias de origem inflamatória, infecciosa, isquêmica e com alterações do estresse oxidativo. Possui propriedades bactericidas, fungicida e virostática, por isso é largamente utilizado para tratamento de feridas infectadas, assim como doenças causadas por vírus e bactérias.

Graças ao seu poder analgésico e antiinflamatório, o ozônio está sendo utilizado com bons resultados no tratamento de dores causadas por hérnias de disco, inflamações crônicas, neuralgias, dores musculares, fibromialgia, joelhos, interfalangianas, dores paravertebrais, cervicais, lombalgias dentre outras enfermidades.O ozônio quando entra em contato com um tecido biologicamente ativo, o ozônio reage imediatamente com numerosas biomoléculas que, juntas, formam verdadeiros sistemas de tamponamento antioxidantes.

Por ter poucas contra-indicações e efeitos colaterais, quando realizada de forma correta, por médico com experiência em Clínica da Dor, a ozonioterapia permite, muitas vezes, a redução da dosagem dos medicamentos adotados para reduzir a dor e seu controle. Assim torna-se possível compreender o motivo do ozônio ser usado nas doenças que envolvem inflamações crônicas.

Veja o vídeo abaixo realizado no Jornal Nacional sobre o efeito bactericida da terapia com ozônio. 

Para mais informações sobre Clínica de dor e ozônio entre em contato pelos telefones (43) 3323-8744 – Londrina ou (21) 3439-8999 – Rio de Janeiro.

 

 

 
 
 
1 | 2 | 3 | 4
 
 
     
 
 Sobre a Clínica Higashi
Localizado na região de hospitais e clínicas de Londrina e Rio de Janeiro, a Clínica Higashi é um centro médico privado de excelência na área de saúde, como antienvelhecimento, ortomolecular, obesidade, clínica da dor e neurologia.

Situado en la region de hospitales y clinicas de Londrina y Rio de Janeiro, la Clínica Higashi és un centro médico privado de excelencia en la salud, como antienvejecimiento, ortomolecular, la obesidad, la clínica del dolor y neurología.
 
 
 Tópicos Recentes
 
 Links Interessantes
 
 Faça Parte! Visite!
Comunidade no Centro Médico Athenas no Facebook
 
 
 
© 2009 Centro Médico Athenas - Todos os Direitos Reservados
Blog Centro Médico Athenas